sábado, 19 de janeiro de 2013

The boxer...


Acho que esta música é demasiado curta... fico sempre com pena dela acabar e volto sempre a repeti-la


É como os bons momentos, são curtos e valiosos...

E agora sozinha no meio deste sítio estranho, volto para tempos e sítios onde me senti acarinhada, onde me revejo e percebo (e me envergonho) de (e por) tantas das coisas que fiz...

E penso que a dor, a alegria, o stress e o sofrimento, os sonhos e as certezas que a vida nos vai trazendo são aquilo que nos faz viver, ou melhor que nos dá sentido à vida...

não é o ar, ou a comida, ou frio ou quente... 


é o amor que nos une, que nos uniu ou nos vai unir, 
é o ponto de luz que seguimos, 
o fio que nos agarra e não nos deixa perder...

Para mim és tu, o meu porto de abrigo e a minha tempestade,
o mar calmo e agitado que navego sem nunca ter medo,

és a minha vida...