quinta-feira, 1 de maio de 2008

Running against the odds...

Nunca fui muito boa a tomar decisões...
[aliás tento ao máximo relegar decisões para os outros...
mas há algumas que não me posso escapar...
nessas tenho tendência a mandar uma moeda ao ar...
deixar a "sorte" [as in chance] tomar conta do assunto...
aquela coisa das probabilidades é capaz de funcionar...
mas e daí eu nunca fui muito a favor das probabilidades...
eu e elas não temos uma relação muito boa...
temos tendência a ir para lados contrários...]



e definitivamente HÁ decisões que são difíceis de tomar...
Há decisões que podemos adiar indefinidamente...
e há outras que quanto mais adiamos mais nos magoam e nos ferem...

nos meus 22 [quase 23] anos de vida ensinaram-me muitas coisas...
ensinaram-me biologia, matemática, português, inglês e até mesmo japonês...
leis da física e da química...
jogos espectaculares, e tocar vários instrumentos...

ensinaram-me que o mundo é cruel e meigo, justo e parcial...
que a vida continua e que por mais que percas algo ou alguém, ninguém vai parar por causa disso...
porque a vida é maior, é mais vasta, é gigantescamente pequena para estarmos sempre a parar por notas soltas que vão caindo pelo caminho...

mas apesar disso nunca consegui aprender a largar...
nunca aprendi a deixar cair a nota fora de tom que ficou pendurada no meio da música...

há coisas que não mudam...
mas que no fundo se sabe que tem de se largar...

mesmo quando queremos que haja uma nova oportunidade
porque desta vai realmente dar certo...
porque se sente que desta vez é real...
"this time is for sure..."

[e quantas vezes tanta gente
pediu mais uma oportunidade,
para esta nunca lhe ser concedida...]




Sem comentários: