segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

2008....a saga continua

É incrível o poder de um novo o ano...

penso que seja porque as pessoas
marcam o ano novo como o começo de uma vida nova...
mais uma hipótese de fazer as coisas como deve ser
acho eu...
é estranho...
como uma data marcada por um homem num calendário há anos longíquos pode ter tanta influência na vida de pessoas...

na minha rua há foguetes e pessoas a apitar...
uma norme folia...
mais uma oportunidade de festejar...
afogar as mágoas do ano passado na bebida
e confessar os desejos para o ano vindouro no copo meio cheio...
(porque o ano está a começar
e temos de ser optimistas...)


ao bater das 12 badaladas,
enquanto toda a gente à minha volta comia passas
e pensava nos seus desejos eu comia pinhões...
confesso que não gosto de passas
daí os pinhões...
e este foi o primeiro ano, desde à muito,
em que pedi desejos com o contar das badaladas...
foram atabalhoados e confusos...
não sei porquê...

nem de pedir desejos,
nem da confusão em que os pedi....


desejos...

sei-os de cor e salteado e peço os mesmos todos os anos...
com pequenas variantes...
mas a essência é a mesma...

foi estranho...
desde há muito que no ano novo que mantenho uma tradição....
não dou voz a resoluções...
e aos desejos guardo-os no coração...

de qualquer maneira...
não sei porque havemos de tentar mudar no início do ano...
porque não noutra altura qualquer?

é giro no entanto...
ver as pessoas a comoverem-se...
a celebrar com pompa e circunstância a entrada para o dia 1 de janeiro...

um ano novo...
limpinho e pronto a estrear...

one more chance to get it right they say...
for me...
i fear that this year is just one more chance to mess things up...
anyway...
its not the destination
it's the journey...
its not the end
but the way we walk it...
so bring it on...

may this year be one hell of a year...
with lots of good stuff and not one piece of the bad stuff

happy new year
happy 2008!



sábado, 15 de dezembro de 2007

pretty good year

Tears on the sleeve of a man
Don't wanna be a boy today
Heard the eternal footman
Bought himself a bike to race

posso ser eternamente criança?
posso simplesmente continuar a acreditar nos outros?

And Greg he writes letters
And burns his CDs
They say you were something in those formative years

poderei confiar na bondade de um estranho
(ou-talvez-não-tão-estranho-assim-mais-como-um-velho-conhecido)
fechar os olhos e agarrar a mão que me estendem...
e dar aquele passo em frente?

Hold onto nothing
As fast as you can
Well still pretty good year


fi-lo tantas vezes que já não me lembro quantas...
coloquei eu mesma a venda sobre os meus olhos
e dei o passo em frente para o abismo...

Maybe a bright sandy beach
Is going to bring you back
May not so now you're off
You're gonna see America
Well let me tell you something about america
Pretty good year
Some things are melting now
Well what's it gonna take
Till my baby's alright


e acreditei tantas vezes nas nuvens debaixo dos meus pés...
que só dei pela queda quando estava no chão...

And Greg he writes letters with his birthday pen
Sometimes he's aware that they're drawing him in

Lucy was pretty

Your best friend agreed
Still Pretty good year


apesar de tudo...
i still believe...

a somewhat-quite-strange-and-little-painful-but-full-of-experiences-
and-friends-and-in-the-end-i-can-even-say-pretty good year...



quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

mistake me...

Your heart is broken, and you don’t seem to mind
I guess it happened a little too many times, too many times
You try and you got tired, those long a brighten stories
You weald a fire right under the snow
They don’t they don’t
How could they really know
They don’t

We should not make the same mistake twice...
people are always saying that to me...

They don’t know how it really feels
They’re just on holidays
Like dummies filling landscapes
How could they see you cry?
Do you remember me?
I was the one that held you through
I held a spot light when you did that crazy dance
Dance with you
I felt like superstars do
Me and you
We're just like superstars

if you are smart...
you wont do the same mistake twice...

I was around you
You couldn’t really tell
I held you close while
While you drove, you just drove into hell
You know!
A kind of hurt that burns
A light that loves you blind
And while your feet go
They go deeper in the sand
You wave and drown
You rave to the crown that says

but there is not a chance of me doing the right thing...
of walking away...
without looking back

But they don’t know how really feels
They’re just here on holidays
Like dummies filling landscapes
How could they see you cry?
Do you remember me?
I was the one that held you through
I held a spot light when you did that crazy dance with me
Yeah you did that crazy dance
You did that crazy dance with me

if i remember well...
you didnt say anything more than the last time...
nothing was promised...
nothing was owed...


You did that crazy dance
You did that crazy dance
You did that crazy dance
You did that crazy dance
You did that crazy dance
You did that crazy dance
You did that crazy dance

i still remember the sound of my heart breaking in a thousand pieces
in rythm with your voice...
i dont recall anything changing from then...
not even a single note of our ancient melody...



and yet...
that smile...

Coz they don’t know how it feels

They’re just here on holidays
Like dummies filling landscapes
How could they see us cry?
Do you remember me?
I was the one that held you through
I held a spot light when you did that crazy dance to me
As I dance whith you
I felt like superstars do
Me and you
We felt like superstars
Me and you

Me and you
why do i always do the same mistake endless times?

sábado, 1 de dezembro de 2007

spitting games.....

I broke into your house last night
And left a note at your bedside
I'm far too shy to speak to you at school
You leave me numb and i'm not sure why

estou cansada...

I find it easier to sit and stare
Than push my limbs out toward your right
My heart is bursting in your perfect eyes
As blue as oceans and as pure as skies

assim a meios que desapontada...

I struggle for the words and then give up
My heads up with the birds on the t-hut
A little piece of mind that i know better
Than the plain disgrace of all my letters

a modos que um pouco perdida...

After that the floodgates opened up
And i fell in love with everyone i saw
Take your time i'm not in any rush

e não sei muito bem o que fazer

Its not as if i need the extra weight
Confused enough by life so thanks a lot
Lonely written words for company

para que este miasma de inércia saia de mim...
para que este sentimento de não pertença
de tristeza que se cola e pega a mim...
parta...
levando o meu coração com ele...
Just raise the roof this once and follow me.

odeio sentir-me assim...
incapaz...
parada...
esquecida...
confusa...
tão tão confusa...



terça-feira, 20 de novembro de 2007

Lights and bullets....

I still love the light on baby
It keeps me awake but I don't mind


- Então gostaste do concerto?
- Gostei... dos concertos...

Everything I always wanted
Is right there but soon it won't be

- Dos concertos?
- Sim... Interpol e Editors...
- Tavas em Interpol? Não te vi...

Oh, if fortune favours the brave
I am as poor as they come
I've got a million things to say
I've got a million things to

- Estava...
eu vi-te... à entrada...

I still love the light on baby
It keeps me awake but I don't mind
Everything I always wanted
Is right there but soon it won't be

- Pois eu vi-te foi em Editors... lá à frente...
- Pois... e estava sozinho...

Oh, if fortune favours the brave
I am as poor as they come
I've got a million things to say
I've got a million things to


- Então podias ter vindo ter connosco!
Era só malta fixe ali...
Informáticos, um pouco passados do juízo, mas malta fixe...

I still love the light on baby
I still love the light on baby
I still love the light on baby
I still love the light on baby

- Pois...
Mas não sabia... fiquei envergonhado...
- Envergonhado?
Porquê?

Oh, if fortune favours the brave
I am as poor as they come
I've got a million things to say
I've got a million things to

- ...
- Mas podias ter vindo...
- Porquê?
- ...

Ahhhh, a million things to say
A million things to say
A million things to say



----------------------------------------
STOP--------------------------------------------------

esta sensação de prisão que perdura em mim e me sufoca...
esta sensação de correr para estar sempre no mesmo sítio...
um vórtex de imagens e memórias que me entristecem e magoam...
tudo se desvanece lentamente...

rapidamente...

encostada a uma porta de vidro a conversar sobre um capuccino...
o olhar pousado em desafio sobre um fundo azul claro...

contesta-me!
não me importa...
eu sou eu...
isto é o que tenho para dar!
sabes o que exigiu de mim dar este passo tão pequeno
que mais parece um abismo sobre o qual tenho de voar?
para chegar ao outro lado...
e para quê?

para sentir esse olhar pousado em mim?
sim...

foi por isso que o fiz...

não o nego!

If something has to change then it always does
If something has to change then it always does

You don't need this disease, not right now
No, you don't need this disease, not right now

Oh you don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease

foi para ouvir essa voz a quebrar o silêncio que mora dentro de mim...
os comentários mordazes que deixas cair como folhas desgarradas perdidas no vento...
para ouvir a paixão com que defendes a tua música...
a minha música...
para me sentir dona desse teu individualismo...
essa tua preguiça em ver a vida...
essa maneira tão alentejana de ser...

If something has to give then it always will
If something has to give then it always will

You don't need this disease, not right now
No, you don't need this disease
Not right now, no, no, not right now

confesso...

foi para me sentir viva no remoinho revolto que são os teus cabelos...
sentir a vida que tanto anseio viver...
mas que me acobardo sempre no último passo...

You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't

Would you fall down
Would you fall down

desabafo...

foi para olhar para esse sorriso...
e sabê-lo para mim...
e egoisticamente senti-lo ser meu...

Oh you don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't know,
won't fall down

digo-te...

foi a coragem que nasceu em mim...
que me fez roubar esse teu momento...
para o tempo passar tão depressa...
tão depressa que os minutos escorregaram pelo meu relógio...
escorregaram pelas palavras que saim dos teus lábios semi curvados....
aquele curvar do principio de um sorriso...
os segundos escorregaram mascarados por um adeus...
nas horas infinitas que a música tocou...
de uma eternidade que soube a pouco...

You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't
You don't need this disease you don't

explico-te...

que me recuso a acreditar de novo....
nessa promessa de chuvas de inverno...

(daquelas que sabe bem estar a ouvir no quentinho de uma lareira...
com o cobertor de sonhos a aquecer-te o coração...)

que me recuso a deixar sequer uma fresta aberta para o frio do inverno entrar...
o medo do calor do verão impede-me de abrir a porta...
não me posso perder no labirinto que tu és...

já estou perdida no meio das nuvens cinzentas de um dia de inverno...
algures no meio de uma tempestade só minha...

e tenho medo de me aventurar em ti...

e me perder novamente em algo que conheço bem demais...


You don't need this disease you don't!


sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Editors...gostei :D

Cheguei a casa à 30 minutos, se tanto, e as músicas ainda não pararam de fazer replay na minha cabeça! e com alguma sorte amanhã também não!

I still love the light on baby
It keeps me awake but I don't mind

Everything I always wanted
Is right there but soon it won't be


Oh, if fortune favours the brave
I am as poor as they come
I've got a million things to say
I've got a million things to say


de que estás tu a falar? perguntam vocês... e eu digo-vos:

EDITORS

e um dos melhores concertos que tive o privilégio de ouvir este ano!

Editors surpreenderam-me pela positiva...
o concerto foi BRILHANTE!!!

I don't think that it's
Gonna rain again today
There's a devil at your side
But an angel on her way

Someone hit the light
'Cause there's more here to be seen
When you caught my eye
I saw everywhere I'd been
And wanna go to

You came on your own
That's how you'll leave
With hope in your hands
And air to breathe

I won't disappoint you
As you fall apart
Some things should be simple
Even an end has a start

Someone hit the light
'Cause there's more here to be seen
When you caught my eye
I saw everywhere I'd been
And wanna go to

You came on your own
That's how you'll leave
With hope in your hands
And air to breathe

You lose everything
By the end
Still my broken limbs
You find time to mend

More and more people
I know are getting ill
Pull something good from
The ashes now be still

You came on your own
That's how you'll leave
With hope in your hands
And air to breathe

You lose everything
By the end
Still my broken limbs
You choose to mend


o Senhor Tom Smith (vocalista) vibra com a música e faz de tudo para chegar ao público, o que nem sequer é preciso dizer que, consegue claro.
desde as poses mais estranhas, para por o público a cantar e a puxar pelas palmas...

Editors é bom...
ao vivo é do melhor que há!


This wicked city just drags you down
You're with the red lights, your side of town

Don't say it's easy to follow a process
There's nothing harder than keeping a promise

Blood runs through your veins, that's where our similarity ends
Blood runs through our veins

Blood runs through your veins, that's where our similarity ends
Blood runs through our veins

There's nothing believable in being honest
So cover your lies up with another promise

Blood runs through your veins, that's where our similarity ends
Blood runs through our veins

Aaaaahhhhhhh

Blood runs through your veins, that's where our similarity ends
Blood runs through our veins

Blood runs through your veins, that's where our similarity ends
Blood runs through your veins

Aaaaahhhhhhh

If there's hope in your heart
It would flow to every part
If there's hope in your heart


o pavilhão do restelo vibrou, estremeceu e os editors, literalmente, deitaram a casa abaixo com músicas como Lights, Blood, An End Has A Start, All Sparks, Bullets, Fingers In The Factories e claro o Smokers Outside the Hospital Doors...

Por mais que tente descrever o concerto não consigo explicar bem a sensação, a emoção de ouvir o Smokers Outside the Hospital Doors cantado ao vivo...
nem qualquer das outras...

Pull the blindfold down
So your eyes can't see
Now run as fast as you can
Through this field of trees

Say goodbye to everyone you have ever known
You are not gonna see them ever again
I can't shake this feeling I've got
My dirty hands
Have I been in the wars?
The saddest thing that I'd ever seen
Were smokers outside the hospital doors

Someone turn me around
Can I start this again?

How can we wear our smiles
With our mouths wired shut
'Cause you stopped us from singing

I can't shake this feeling I've got
My dirty hands
Have I been in the wars?
The saddest thing that I'd ever seen
Were smokers outside the hospital doors

Someone turn me around
Can I start this again?
Now someone turn us around
Can we start this again?

We've all been changed from what we were
Our broken hearts left smashed on the floor
I can't believe you if I can't hear you
I can't believe you if I can't hear you

We've all been changed from what we were
Our broken hearts smashed on the floor
We've all been changed from what we were
Our broken hearts smashed on the floor

Someone turn me around
Can I start this again?
Now someone turn us around
Can we start this again?

Fica aqui um post bem pobre do que foi um dos melhores concertos do ano!
(para mim claro está)

Recomendo vivamente que oiçam e que tentem arranjar concertos ao vivo...
se bem que visto é que é!

If something has to change
Then it always does
If something has to change
then it always does

You don't need this disease
Not right now
No you don't need this disease
Not right now

Oh you don't need this this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease

If something has to give
Then it always will
If something has to give
Then it always will

You don't need this disease
Not right now
No you don't need this disease
Not right now
no no not right now

You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't

Would you fall down
Would you fall down

Oh you don't need this this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You don't you don't need this disease
You
Won't
Fall
Down

You don't need this this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
you don't you don't need this disease
You don't.


PS: como nota de rodapé a este concerto juntam-se o dos Arcade Fire e Metallica no SuperBock Super Roc, Interpol no Coliseu e David Fonseca como os melhores deste ano :D

não é deste concerto... mas se arranjar deste concerto substituo :P



just a little detail, a face so big that made my world small...
a look in the eyes and no smile to burn the ice around...
i saw you and you saw me...
and though my eyes shone...
when they met yours the light was gone...

terça-feira, 13 de novembro de 2007

home...



Deixem-me falar-vos da minha casa...
tem muitas paredes, mais do que quatro se contarmos as de dentro,
as paredes são brancas, pelo menos maior parte delas são...
e o chão é em madeira e nalguns sítios alcatifados...
tem espaço para tudo e mais alguma coisa, para o Lord e o Tunes (cães), para a Íris e para o Pintas (gatos) e para peixes/tartarugas/hamsters que passem por lá...
tem sorrisos e o barulho de um primo de 7 anos (quase 8), os brinquedos caídos que fazem quase-tropeçar-mas-consegui-desviar-mesmo-a-tempo-depois-de
-fazer-uma-ginástica-imensa característicos dessa idade...
tem as pinturas de uma prima de 3 anos(quase 4) que consegue cozinhar bolos de iogurte com meia dúzia de laranjas, um tomate e uma quantidade invejável de nozes, e sem os descascar!
tem a sensualidade de uma tia com o pior mau feitio do mundo (tirando a Catarina, segundo a própria) que acha que as colectâneas "Love Songs 1000" são intemporais e portanto toca de nós as ouvirmos
tem as mil e uma coisas que se consegue fazer em 24 horas por um tio que retorce até as mais inocentes deambulações nas palavras-que-não-deviam-ser-ditas-a-ninguém-e-definitivamente-não
-pensadas-por-menores-de-80-anos-quando-na-presença
-dos-filhos-ou-netos...
tem os desenhos e mágoas de uma recém-universitária de arquitectura, os sonhos e esperanças, passadas para um bloco A3 com lápis a carvão...
e que bonitas que são...
tem as colecções de tudo o que existe de um avô que amontoa tudo o que acha interessante, ou poderá ser a vir interessante (which means everything) e que te bafeja suavemente com o fumo do cachimbo quando chega da rua...
tem um pilar central,a minha avó, magrinha, frágil, com o rosto sulcado pelas rugas e pelas tristezas de todos os seus filhos e netos que guarda e toma como suas, na esperança de lhes aliviar a dor, com uns olhos doces, doces, doces como mel, e com um sorriso que desfaz qualquer tempestade que assome à porta da casa e tente destruir o nosso lar...

vou falar-vos da minha casa...
é desarrumada, é viva, tem um cheiro suave a flores que estão na porta da entrada ou então cheiro aos cozinhados maravilhosos da minha avó...
tem o som dos risos à hora de jantar e o cheiro a amaciador que a minha avó põe na roupa...
tem os cães atrás dos gatos, os gatos atrás dos cães, os cães atrás dos cães e dos gatos e uma confusão tremenda de rebaldaria e barulho...
tem um calor que não tem nada a ver com algo que alguma vez tenha sentido noutro sítio e uma sensação de pertença inequalável...
tem as suas rachas na parede, e mesmo algumas falhas aqui e ali, mas isso é que a torna tão especial...


vou contar-vos da minha casa...

é
completamente
espectacular

não espero que percebam o porquê de gostar...
mas espero que tenham a sorte de se verem reflectidos de alguma maneira nestas palavras


segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Chocolate

Hoje disseram-me que eu era uma criatura estranha...
depois de agradecer tal elogio, fitei o quadro à minha frente que tem aniversários de pessoas do laboratório e quase pensei em deixar tudo por ali.
Mas enquanto trauteava a música que passava no i-tunes, sem eu notar, num bater de asas muito leve, a palavra que estava na ponta da língua, obviamente, poisada para levantar vôo saiu para complicar as coisas...

- Porquê?

como uma cidade que se refugia a ouvir o toque de alarme, todo ele se encolheu, procurando um bunker onde se esconder até passar o momento de perigo. Mas com as munições em baixo e sem alimentação para muito tempo, até porque eu desliguei a música lá respondeu, baixando os olhos, numa voz meio séria, meio envergonhada:

- Porque não te percebo...

A conversa, ou pseudo dialogo/monólogo da treta, parou aqui.
Não porque eu não pudesse tentar arrancar as razões do não te percebo...
mas porque eu parei a pensar que eu também não me percebo...

tan tan...
bem vinda ao mundo real em que 90% não se conseguem perceber e as 90% dos 10% que resta percebem apenas o essencial (que nunca está visível ao olhos) para não se chatearem com dúvidas existenciais....

não é bem isso...
não é dúvidas de quem sou, onde estou e será que estou bem aqui, o que vou fazer no futuro, estarei a ser tudo aquilo que queria ser ou afins...

eu sou eu (incompleta, cheia de falhas e indecisões e coisas afins) e estou neste momento no laboratório das moscas que é onde quero ficar, se tiver sorte hei-de trabalhar aqui e dar aulas e investigar porque isso é o que quero fazer e o que me faz feliz, o que o futuro me reserva hei-de saber a seu tempo e nada mais....

a parte da qual eu não percebo é:
como é que eu pude mudar tanto e abdicar tanto de tanta coisa que considerei, até agora considero, tão importante?

olhando para trás, vendo o meu percurso, vejo que há coisas que não fazem sentido...
o meu problema não é o futuro, ou o presente...
é o passado...

para mim o passado pode ser muito útil como fonte de aprendizagem (se bem que algumas lições demore, tipo, 4 ou 5 tentativas para as saber de cor)...

quando se estuda evolução uma das primeiras coisas a aprender
é a traçar uma trajectória evolutiva...

e eu hoje à tarde estive a fazer a minha...

e fiquei triste, e incomodada e não muito bem impressionada, para ser sincera...

ao olhar para os meus passos incertos no caminho de calçada vi que não havia bonecos que pudesse desenhar com os sapatos...
e ao caminhar pela berma da estrada, por aquelas pedras grandes e compridas, algures pelo caminho desiquilibrei-me e caí...
e nem sequer dei por isso...
no meio dos desgostos do sol brilhante, não me dei conta que tinha perdido a capacidade de amar a chuva e dançar no silêncio da noite ao som da música que o vento me trazia...
tinha perdido o olhar nas nuvens e os desenhos que tinha inventado com a certeza de que o via era mais real do qualquer realidade escura e fria que (bem que me tentavam fazer crer) estava à minha volta...
tinha perdido o fascínio pelo vôo das bolas de sabão, sopradas numa tarde de sol, e pela liberdade e os sonhos que elas representavam para mim...
tinha caminhado pela floresta e de repente vi-me no meio de uma cidade cinzenta e fria que abafava todos os sonhos e esperanças....
ao olhar para as tardes de chuva em que me enconstava à janela e fechava os olhos para ouvir aquele ritmo constante que me embalava, ao olhar para as noites frias de inverno em que um sorriso me aquecia e a minha casa era o meu refúgio sagrado onde nada de mau acontecia tinham fugido...
desaparecido na neblina matinal de uma vida que acabava logo a seguir à hora de almoço....

vi, olhei e apercebi-me que:
para chegar aqui eu não fiz nada de especial, mas perdi tudo o que me tornava especial...

passo a explicar:
poderá parecer arrogante da minha parte,
mas grande parte da minha existência baseia-se no pressuposto de que eu sou única...
e isso torna-me importante de uma certa forma...
e isso faz com que a minha existência seja um pouco mais explicável...

mas vendo ao olhar para o meu percurso com atenção...
surgiu como um tiro no meio da tesa, a percepção de que na verdade não sou mais do que uma ovelha no meio de um rebanho, ou se preferirem (porque a analogia já está um bocado gasta), mais uma no meio da multidão (mas esta também está...)
mais uma folha seca que caí agora e é levada pelo vento frio de novembro...
sou igual a 500 mil pessoas que existem, vivem e respiram...

é estranho para mim verificar isto...
mas pior que isso é não conseguir percepcionar ao certo onde foi aquela volta do caminho...
aquela encruzilhada onde virei para o lado errado da vida...
ou talvez as encruzilhadas ou voltas...
não sei, não vi, não reagi à multidão que me arrastou...
pior...
não percebo...
porquê...

por isso agora vou para ali balir um bocadinho no meu canto e já volto...

.........
...........................
...................................................
..................................................................................................................


domingo, 4 de novembro de 2007

The Darkness (ou então são três da manhã e encontrei uma cena gira no meu itunes...)

Na minha playlist do itunes existe cerca de 3801 músicas (não é muito eu sei...mas o portátil tem espaço de disco limitado) e posso dizer que não conheço um quarto das músicas que ali estão...

The first flush of youth was upon you when our eyes first met
And I knew that to you and into your life I had to get
I felt light-headed at the touch of this stranger´s hand
An assault my defences systematically failed to withstand

estão lá porque me recomendaram mas não tive tempo para ouvir...
porque não tive paciência,
enfim...
por razões infinitas/desculpas incompreensíveis...

´Cos you came at a time
When the pursuit of one true love in which to fall
Was the be all and end all

Love is only a feeling
(Drifting away)
When I´m in your arms I start believing
(It´s here to stay)
But love is only a feeling
Anyway


por isso eu tenho o hábito de por o tunes em modo random e em repetição e depois deixo-o tocar...
para conhecer as músicas que tenho para ali metidas...
às vezes calha-me coisas muito giras...
outras vezes nem por isso...

The state of elation that this unison of hearts achieved
I had seen, I had touched, I had tasted and I truly believed

That the light of my life
Would tear a hole right through each cloud that scudded by
Just to beam on you and I

agora mesmo, estava eu entretida a fazer análises estatisticas e comecei a ouvir the darkness... e pensei para mim:
"isto é totalmente desconhecido...
o que raio é que me foi calhar desta vez..."
e continuei a ouvir...
e depois voltei a ouvir...
e outra vez...
e agora estou a escrever isto e ainda estou a ouvir the darkness...

Love is only a feeling
(Drifting away)
When I´m in your arms I start believing
(It´s here to stay)
But love is only a feeling
Anyway, anyway

Love is only a feeling
(Drifting away)
And we´ve got to stop ourselves believing
(It´s here to stay)
´Cos love is only a feeling
Anyway.



A banda não é nada de especial...
esta música até é gira...
mas também não é nada de especial...
não é uma grande música...
mas eu por um razão qualquer desconhecida (talvez derivada de serem três da manhã) gostei...


fica ai o videoclip (sim é um pouco estranho...mas e daí a música também :P )
para a próxima escrevo um texto a sério...
quando tiver menos sono...

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

sound of silence

Does anyone likes the sound of silence?

i do :)

i like the way the silence moves when i get out of the lab at late hours and i don't hear a sound as i walk through the white walls of C6...

the way that it it surrounds me as i walk towards the light of the moon... just beyond that little square of white and yellow...with a background of trees and night...

i like the way that it moves me...
the way that it conforts me...


when i don't hear a sound...
it feels so good...
there's nobody in the whole wide world...
i feel relaxed and i STOP!
my head actually enters a semivoid of thoughts and it feels so damn good!!!

today i thought about it...
and it felt weird...
'cause i do love music...
but i also love the silence...

(Leitão would say that i have a problem with silence...
'cause i'm allways talking about it...)

but...
all of this to say that i thought about it...
about the silence i mean...
and i think the silence is a wonderfull thing...
or at least, can be a wonderfull thing

and i would like to say that:

i do think that the silence has a melody underneath it...


i believe that it has the rythm of life behind it...

and in each pause of the music of life...

you
can
hear
the
heartbeat

of
the
world...

terça-feira, 23 de outubro de 2007

shadowman

Any time tomorrow I will lie and say I'm fine
I'll say yes when I mean no
And any time tomorrow
The sun will cease to shine
There's a shadowman who told me so
Any time tomorrow the rain will play a part
Of a play I used to know
Like no other
Used to know it all by heart
But a shadowman inside has let it go
Oh no, let go of my hand
Oh no, not now I'm down, my friend
You came to me anew
Or was it me who came to you
Shadowman
Any time tomorrow a part of me will die
And a new one will be born
Any time tomorrow
I'll get sick of asking why
Sick of all the darkness I have worn
Any time tomorrow
I will try to do what's right
Making sense of all I can
Any time tomorrow
I'll pretend to see the light
I just might
Shadowman
Oh here's the sun again
Isn't it appealing to recline
Get blinded and to go into the light again
Doesn't it make you sad
To see so much love denied
See nothing but a shadowman inside


Oh, if you're coming down to rescue me
Now would be perfect
Please, if you're coming down to rescue me
Now would be perfect


Shadowman dos K's Choice

hoje não me apetecia escrever nada de especial, mas ouvi esta música e apeteceu-me por isto aqui :)

domingo, 21 de outubro de 2007

My life should have a soundtrack...

Eu gosto de música...
pronto...
ok...
eu não gosto de música...
eu vivo de música...
respiro-a...
alimento-me dela...
vivo-a a cada minuto...
a cada segundo...

(quantos de vós não me virão já a fazer "humming" da música ou
a pseudo abanar a cabeça ao ritmo de uma música
que, tipicamente, só eu posso ouvir...
é claro que me podem chamar maluca, doida varrida...
mas e daí não estariam assim tão longe da verdade por isso...)


mas continuando a ideia...
eu acho que deveria haver uma espécie de banda sonora para a vida...

uma música ambiente que mudasse consoante o estado de espírito da pessoa...
que se adaptasse aquilo que sentimos e que vemos...


(ainda por cima tinha aquela vantagem
de dar a dica para me avisar para situações
das quais não me apercebo normalmente,
tipo...
quando devo ficar calada por exemplo...)

A música move-me...
quando pego na guitarra e faço uns dedilhados,
quando me sento no piano e acaricio as teclas frias e pesadas...
quando experimento tons e tonalidades,
quando vejo acordes tão harmoniosos
e notas soltas penetrantes e tão diferentes...
quando me dou ao ritmo e me perco na batida tão inconstante

(que se torna constante no caos de sentimentos
e pensamentos que no fundo são o que toco...)


quando me dou e me perco
nesse sentimento puro e avassalador que é fazer música...
quando transponho aquilo que sou para a pauta...

(e não me censuro nem julgo por o estar a fazer)

i feel alive
i feel...
me!

e isto tudo...
para fazer um ensaio para uma vida a sério...
posta numa pauta com 5 linhas e 4 espaços,
uma clave de sol e outra com clave de fá
(porque uma vida a sério só pode ser vivida a duas mãos)
com notas e muitas pausas...
para pensar...
e arranjar algo para continuar...

é assim não é?
criar uma música e criar uma vida...

pouco a pouco...
nota a nota...

cheia de tentativas e falhas...


mas quando sair bem....
ou se sair bem...
vai ser
um sucesso....
i hope...



Mas continuando
(acho que me desviei ali por um segundinho do tema do post...)
Por exemplo...
agora neste preciso momento,

(em que em vez de escrever a tese tou a escrever este post)

deveria estar a tocar... sei lá...
Rock'n Roll fantasy dos Kinks

(que muitos de vocês ou quase nenhuns deve saber o que é...)

mas pronto enfim...

tudo isto para dizer que...
que definitivamente...

a vida deveria ter uma banda sonora...


sexta-feira, 19 de outubro de 2007

this one goes in english... or God Is An Astronaut...

with the speeding of the rythm the unchained melodies of sadness, war and rage followed, forming a wave of power and smoothness...

and in the middle of that i saw myself...
somewhere else...
just passing by
as the music changed
all that i was feeling...

and as the music stepped up
i lost all the protections inside of me...
one by one i watched them fell to the floor...
i broke the shell that had kept me safe from...
you...

and..
in the middle of the crowd i saw the fire burning the screen,
burning my soul...
purging all the feelings i had kept within...
keeping me...
slowing me down...
tearing me up inside...


and in the middle of the stars
i found the little pieces of my heart...
glued with
dreams...

and hopes...
small...
and fragile...
oh so fragile

and in the middle of it all...
or was it the beggining...
or why not the end...

i saw all the disquises i had made...
all of the things i tried to be to make people care...
i sall all of them crash and obliterate
as they felt to the music
inside of me,
outside the shell,
in the heat of the rage...


the concert of god is an astronaut was more than i was expecting...

it was the fall of the courtain...
the end of a too long theatre from which i had made my reality...
my life...

it was the breaking of the will...
and the reborn of it...
more strong...
more real...
more me...


the only problem was that after the concert...
with my shell broken...
with all the feelings still wondering around...
starlight came
and with my defenses down...
the light of the stars caught me again in your arms...

há dias assim...

Há dias assim...

em que as coisas que achas que vão correr mal, têm uma tendência para se endireitar, sorrir, andar pa frente e resolver-se sem sequer lhes ser preciso tocar...
em que o céu azul visto pela janela do laboratório te promete passeios pelas nuvens e sonhos de outono que poderão ou não realizar-se...

mas e daí...quem quer saber se se realizam ou não?

por agora eles estão ali...
mesmo ao virar de um olhar,
uma impressão que nos faz pensar que alguém nos observa...

que nos faz imaginar uns olhos que nos fixam e não desviam
olham para absorver todos os movimentos que fazemos,
que não se afastam para não perderem um sorriso,
que querem beber todos os nossos pensamentos passados a palavras
e decorar cada traço do nosso rosto...

há dias assim...

em que a noite trás promessas de castelos encantados
e ruas escuras e tenebrosas que se iluminam à nossa passagem...
ruas pequenas e desertas, tortuosas e sombrias
que se transformam por magia de um sonho de outono
por realizar,
por nascer...

e se nunca nascer fica a felicidade de ter sido sonhado,
de ter sido sorrido por alguém...
perto: na outra ponta do mundo;
ou longe: mesmo ao virar de uma batida do coração...

há dias assim...

em que as madrugadas cinzentas e frias
nos falam dos mistérios do sol a nascer
e de onde as estrelas vão dormir...
onde os sorrisos e palavras uma vez incómodos
se tornam num festim de sentimentos e prosas...

onde o que não pensámos possível acontece

e...

assim como por magia,
uns olhos nos fixam...

e como por magia...
algo dentro de nós muda...
e diz...

eu sou capaz...

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

once if allways if

voltou...
o blog que eu tinha morto à muito tempo atrás...
o blog que eu quis matar...
mas que era impossível eu esquecer...

voltou...
e eu também...
ou pelo menos um pseudo-eu...

voltou...
o blog que tinha morrido voltou à vida...

não que agora tenha muita claro :P

(isto de escrever a tese deu-me vontade de voltar a pensar com o teclado, ou como quem diz, expor raciocinios/pensamentos com o teclado :P)